quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

002 - Gangster Fumador IV

Esta é mais uma versão da ilustração anterior. Foi feita para corrigir alguns pormenores. Começando pelas armas – alguém me chamou à atenção que uma arma descarregada fica com a corrediça numa posição atrasada em relação ao corpo – é um pormenor que não me tinha ocorrido. A correcção foi intuitiva e carece de qualquer pesquisa, pelo que, nesta arma em particular a posição pode não estar correcta. Aproveitei e acrescentei uma sombra na face esquerda do Gangster e reforcei o contraste para aumentar o dramatismo (foi mais uma boa sugestão que me foi dada no Fórum Central Comics, onde coloquei o personagem à discussão). Deixo-vos o link para que possam participar também, com o objectivo de podermos criar um personagem interessante e que possa ganhar vida. Existem, ainda, pormenores que me desagradam e que foram potenciados com a colocação da sombra na face, tais como a iluminação deficiente. O sombreado ainda está incoerente e é um pormenor que pretendo corrigir.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

001 - Gangster Fumador VIII

Aqui está mais um desenho do Gangster... Pessoalmente ainda não está do meu agrado. Penso que é da relação do corpo (gabardina) com os braços (que quero que sejam o mais importante do personagem). A gabardina quero que seja apenas um elemento que, com as curvas criadas pelo deslocamento do corpo acentue ainda mais o movimento. Grosseiramente falando, gostaria que o corpo fosse uma espécie de cone que reforçasse todo o movimento do Gangster.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

002 - Cartoon 03

Este é o meu terceiro cartoon e infelizmente teve que ser feito em tempo recorde (na minha hora de almoço). Consequentemente o material usado também foi diferente - caneta de feltro preta (a melhor que consegui arranjar). Quanto à piada foi sugerida e ao que parece será percebida pelos leitores da zona de Setúbal (local a que pertence o jornal).

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

001 - Cartoon 02

Cá está o meu segundo cartoon que apesar de ser mais trabalhoso graficamente me deu bastante menos trabalho na execução (talvez por ter já uma ideia definida do que queria). Penso que devido à sua maior complexidade gráfica perdeu um pouco na comunicação. A técnica usada foi a mesma que a do cartoon anterior. Espero que gostem.

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

002 - Cartoon

Esta é a primeira vez que me dedico com alguma seriedade ao Cartoon. A pedido de um colega fiz este para publicar num jornal regional. Gostei tanto da experiência que só penso no próximo. Não sendo de um raciocínio fácil (a comunicação através de cartoon) penso que não me saí de todo mal nesta experiência. Quanto à parte mais técnica: foi desenhado ao tamanho em que vai sair, com tinta da china e pincel. Foi Finalizado numa ferramenta de imagem (onde reforcei os pretos e coloquei sombras). Espero que gostem.

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

001 - Uma história nuclear

Mudando de técnica e de tema, partilho convosco mais um exercício em alto contraste com o uso de texturas. Esta é a vinheta número 11 de uma prancha que é revelada no seu todo no Vinheta Preta. Nesta técnica gosto particularmente do efeito dado pelo uso da textura.

quarta-feira, 25 de junho de 2008

005 - História Medieval XVI

Este foi o resultado final dos estudos anteriores.
Estudo feito com marcadores sobre cartão...

terça-feira, 24 de junho de 2008

004 - História Medieval XV


Para o mesmo estudo aqui vão mais uns desenhos a lápis sobre papel cavalinho. Aqui começo a preocupar-me já com a parte da definição do símbolo heraldico do cavaleiro e começo a introduzi-lo nos respectivos adereços (escudo na capa, etc...).

segunda-feira, 23 de junho de 2008

003 - História Medieval XIV

Estes são alguns esboços feitos para o estudos de um uniforme militar da idade média (Sec. XIV ou sec. XV).

Nesta fase não estou muito preocupado com o rigor gráfico ou com a simbologia da época. Procuro apenas uma solução gráfica agradável.

quinta-feira, 5 de junho de 2008

002 - História Medieval XIII

Já no rescaldo da batalha, o céu acobreado pelo pôr do sol está a desaparecer do astro, o vento vai acariciando a pele, de maneira suave e quente, aos atarefados homens que terminam já de montar o acampamento. Os corpos dos nativos são queimados, não só para esconder os vestígios da passagem dos Guerreiros Mouros, que provavelmente daqui a uns dias deixarão estas paragens, mas também para evitar a propagação de doenças ....
Os invasores preparam-se agora, para pernoitar. O local está calmo, só se ouvindo ocasionalmente o som do crepitar da fogueira e do metal pertencente aos poucos homens armados que montam sentinela, estrategicamente colocados.

segunda-feira, 2 de junho de 2008

001 - História medieval XII

Este foi o destino de quem quis sobreviver pela fuga. Mas houve também quem se tenha recusado a mostrar as costas ao inimigo e o tenha enfrentado... Apesar de tal demonstração de bravura e coragem o fio frio da lâmina revela-se implacável e inevitável; toda a resistência criada é rapidamente anulada. A desigualdade é mais do que evidente: pescadores contra guerreiros fortemente armados. Tal bravura desperta um sentimento de admiração e compaixão que parece transparecer no olhar dos guerreiros invasores, mas que rapidamente é abafado pelo calor da batalha desaparecendo com um movimento vigoroso de espada, que rápida e impiedosamente marca o desfecho da contenda...

sexta-feira, 30 de maio de 2008

005 - História medieval XI

Os mais rápidos continuam a fugir; correm sempre com o medo muito presente. Neste momento já nada é importante para eles; os conhecidos, os vizinhos, os amigos e até a família foram banidos, ainda que temporariamente, da memória. A esperança de os voltar a ver desapareceu por completo e o que lhes resta agora é fugir; salvar a vida. Sobreviver é tudo o que importa. Continuam a correr, pois sentem que por mais longe que estejam continuam vulneráveis. Ignoram as feridas do corpo, o torpor dos membros, o latejar da cabeça e o ardor nos pulmões. Aguentam tudo... ao ponto de desejar o alivio súbito da dor, nem que para isso cheguem a desejar ser levados pelo alívio da morte.

sexta-feira, 16 de maio de 2008

004 - História medieval X

ENVOLVIDOS… à sua volta a confusão era muita; os gritos dos companheiros, vizinhos e amigos; corpos de homens, mulheres e crianças mutilados; muito pó no ar e os sons dos quais todos tentavam fugir. Eram os sons do metal contra o metal, ou o som seco dos cascos a bater no chão quase oco, provocado pela secura do solo. Por mais bem escondidos que estivessem ou por mais distantes que se encontrassem, mão valia a pena… porque este era um daqueles momentos em que o próprio céu se vira conta nós.

quarta-feira, 14 de maio de 2008

003 - História medieval IX

O envolvente manto negro da Morte continua a alargar pela mão hábil e o engenho dos invasores. Vidas são ceifadas sem misericórdia e de maneira criteriosa obedecendo, concerteza, a um plano bem estudado.
Os aldeãos invadidos estavam perdidos… para onde quer que fossem, para onde quer que fugissem, o fim estava presente pela mão fria da morte.

sexta-feira, 9 de maio de 2008

002 - História medieval VIII

A crueldade e frieza do ataque só pode ser justificada pelo secretismo da missão. Será, pelo menos, esta a justificação que cada um dos atacantes encontra para se desculpar perante os actos mais cruéis.

sexta-feira, 2 de maio de 2008

001 - História medieval VII

Já apeados, os soldados invasores procuram os restantes aldeãos que, até aquela altura se conseguiram manter escondidos pela aldeia. Para eliminar quaisquer testemunhos da invasão, homens e mulheres são eliminados sem qualquer piedade.

segunda-feira, 28 de abril de 2008

009 - História medieval VI

O chão vibrava com a aproximação dos cavaleiros invasores.
Com a visão turva pelo súbito levantamento de pó e apanhados de surpresa, os aldeãos indefesos rapidamente começaram a correr em todas as direcções. A confusão instala-se rapidamente. O barulho do galope dos cavalos; os gritos de pânico de quem é invadido; o som dos corpos que caem já inertes, provocando um baque oco e visceral sobre a terra ressequida pelo calor; o tilintar metálico das poucas armas que indiciam alguma resistência, provocam o pânico que estimula os aldeãos a uma corrida desenfreada e cega, para qualquer sítio que lhes traga uma aparente segurança. A busca sôfrega pela segurança revela a crueldade de alguns e a nobreza de coração de outros, mas trai, também, aqueles que se precipitam numa fuga inútil devido a decisões menos acertadas...

sexta-feira, 18 de abril de 2008

008 - Infante

Estudo rápido, a lápis, de uma personagem infanto-juvenil baseado na época medieval, mas sem qualquer objectivo. Tentei brincar um pouco com as proporções dos desenhos para lhes transmitir alguma dinâmica.

quinta-feira, 10 de abril de 2008

007 - Uma história Medieval V

Após o desembarque da infantaria, prepara-se o desembarque da cavalaria. Alguns animais, apesar de toda a sua experiência em cenários de guerra, não conseguem esconder o stresse provocado pelo balanço do convés ou pelo o barulho ensurdecedor causado pela saida dos militares da embarcação...

quarta-feira, 9 de abril de 2008

006 - Uma história Medieval IV

Durante o violento ataque sobre os aldeãos, as vítima vão caindo aos pés dos animais dos cavaleiros, mortalmente feridas, feridas ou simplesmente atordoadas à espera do pior...

terça-feira, 8 de abril de 2008

005 - Gangster fumador VII

Mais uma versão do "Gangster Fumador". Ainda procuro um estilo "próprio" para este personagem. A única coisa que está definida é que será um personagem antiquado, fumador e que terá duas "amigas" (as suas Colt Governement). Será, claro, um personagem para uma história em alto contraste.

segunda-feira, 7 de abril de 2008

004 - Uma história medieval III

A fugir do galope dos cavaleiros invasores, um simples aldeão tropeça e cai para rapidamente encontrar a morte pela espada. Esta acção é o prelúdio de um ataque a uma pequena aldeia piscatória. Este esboço, à semelhança dos anteriores, contém apenas os elementos essenciais que foram pensados para a vinheta.

sexta-feira, 4 de abril de 2008

003 - Uma história medieval II

Chegada de barcos à praia... os guerreiros Mouros começam a deixar os barcos, ao sinal do baque seco da proa na areia. São às centenas e apinhando as embarcações vão saltando de maneira decidida e organizada para a pouca água que os separa da areia... Esta vinheta é cronologicamente anterior à da mensagem 007 (de Março). Esboço a lápis.

quinta-feira, 3 de abril de 2008

002 - Guerra de insectos II

Aqui vão mais umas vinhetas referentes à "Guerra de Insectos", que vão mostrando como funciona (ou não) a coexistência claustrofóbica destas duas particulares comunidades de insectos. A prancha inteira está disponível no Vinheta Preta.

quarta-feira, 2 de abril de 2008

001 - Guerra de insectos I

História de insectos passada debaixo da terra. Esta prancha conta a história de duas colónias de insectos, uma delas com um cariz mais guerreiro (esta história é totalmente inventada e não carece de qualquer estudo sobre insectos). As duas colónias encontram-se em rota de colisão estando em vias de entrar em guerra pela busca de alimento. A história mostra também um pouco da vida "social" destas duas comunidades.
Toda a prancha foi esboçada à mão e em seguida finalizada num aplicativo de desenho vectorial.

segunda-feira, 31 de março de 2008

008 - "Yah, meu... radical"...

E voltamos à história sobre droga que participou no Amadora Cartoon de ´96 (mensagem de 10 de Janeiro). "Se conduzir não se drogue..." é um lema que se pode aplicar também ao skate :-)

quinta-feira, 27 de março de 2008

007 - Uma história medieval

Esta vinheta faz parte de uma sequência que descreve o desembarque de Mouros na praia. Ao fundo é suposto aparecerem os barcos por eles usados e a praia. A fila de guerreiros sobe as dunas em acto hostil e preparados para uma invasão. Dos escudos escorre água e as suas vestes estão molhadas. Esta vinheta faz parte de um projecto em curso. Provavelmente esta será uma das muitas, escolhidas para ser retirada, por não servir a narração.

quarta-feira, 26 de março de 2008

006 - Graffiti III

Esboço utilizado na prancha Graffiti, que se encontra no blog Vinheta Preta. É um esboço rápido, assim como todos os elementos gráficos utilizados nesta prancha. Neste caso utilizei marcador preto mas noutros utilizo aguarela, lápis de cor, ou simplesmente manchas de tinta feitas aleatoriamente.

quinta-feira, 20 de março de 2008

005 - Supersoap

Esta é mais uma vinheta da prancha supersoap cuja 1.ª vinheta foi publicada em Janeiro (mensagem 008 - Supersoap). Como prometido nessa mensagem, vou também começar a disponibilizar algumas pranchas integrais (às quais pertencem algumas das vinhetas até agora publicadas no vinheta branca). Dentro dos possíveis pretendo explica-las o melhor possível. Tudo isto vai ser feito através de um outro blog: o vinheta preta

terça-feira, 18 de março de 2008

004 - The Collector II

The collector finalizado em alto contraste usando uma ferramenta de desenho vectorial. Notam alguma coisa estranha comparando entre este desenho e o anterior?

quinta-feira, 6 de março de 2008

003 - The collector

O collector é mais uma divagação para um personagem sobrenatural (ou não) para uma história "dark". O desenho foi feito com esferográfica preta.

quarta-feira, 5 de março de 2008

002 - Caixa de óculos II

Este personagem é um jovem herói que partilha as aventuras com duas "brasas" (todos nós temos os nossos sofrimentos :-)). A história é de aventura e ficção cientifica (e é passada no futuro). O "background" ainda se vê esboçado a lápis. Nesta altura finalizava primeiro as personagens e só depois é que passava para o fundo.

terça-feira, 4 de março de 2008

001 - Caixa de óculos

Mais umas vinhetas a cheirar a mofo :-)...
A primeira não passou do esboço a lápis e a segunda chegou a levar alguma cor em aguarela. O texto estava já definido e foi colocado a lápis e o contorno foi dado a tinta da china com caneta gráfica.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

018 - Alto contraste com marcadores


Exercício com esboço prévio a lápis e finalizado com marcadores pretos de várias espessuras.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

017 - 2.ª Grande Guerra II

Este eléctrico está a ser destruído pela onda de choque provocada pela explosão da bomba atómica em hiroshima. Estas vinhetas estão cheias de texturas feitas com materiais vários (desde pedaços de lixa a palha de aço).

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

016 - 2.ª Grande Guerra

Esta vinheta pertence a uma prancha que descreve os primeiros segundos após a queda da primeira arma nuclear (a little boy). Explodiu na manhã de 6 de Agosto de 1945 em Hiroshima, com uma potência equivalente a 13.000 toneladas de TNT. A prancha começa com o cogumelo atómico e descreve os efeitos imediatos nos segundos seguintes. Esta vinheta representa já o final da explosão. Nesta prancha utilizei tinta da china e pincel e mais alguns materiais que reuni para criar as texturas...

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

015 - Ganster fumador VI

Como prometido, aqui está a finalização (com marcador e em alto contraste) do estudo da mensagem 007 (o Gangster fumador IV) de Fevereiro. Aproveitei e corrigi também a perna esquerda (que não estava natural e também a gabardina.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

014 - Gangster Fumador V

Lembram-se da mensagem 022 de Janeiro (Gangster fumador II)? Esta é a mesma versão mas com cor. Pessoalmente continuo a preferir a versão original em alto contraste. E vocês?

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

013 - Interior | Exterior II

Esta é mais uma vinheta pertencente à mesma prancha da vinheta da mensagem anterior e faz parte da acção exterior. Todas estas ilustrações (vinhetas) passaram por um esboço prévio a lápis e só de seguida (e em papel vegetal) é que as finalizei a preto.
A prancha encontra-se completa no site Vinheta Preta.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

012 - Interior | exterior

Esta vinheta faz parte de uma história de uma prancha e é mais um exercício. O material usado foi o aparo e tinta da china preta. As vinhetas foram criadas individualmente e paginadas digitalmente. A ideia do exercício foi contrastar duas acções (uma interior e outra exterior) a decorrer em conjunto, utilizando, para isso as texturas do traço. Esta vinheta pertence, como é evidente, à acção exterior...
A prancha encontra-se completa no site Vinheta Preta.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

011 - Ofusca a luz... II

Esta é a aguada escolhida para a prancha à qual pertencem as tiras anteriores. A partir daqui foi só escolher os pormenores e distribui-los pela prancha de maneira a que pudesse contar a história (préviamente defenida). Não tendo passado de um exercício, o resultado foi bastante do meu agrado. Espero que seja do vosso também.

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

010 - Ofusca a luz...

Esta é parte de uma prancha pertencente também a um exercício feito no curso de BD do CIEAM. A ideia foi fazer uma história de uma prancha com base numa única ilustração. A dita ilustração foi feita numa primeira fase a lápis e em seguida foi fotocopiada (não só para preservar o original mas também para reforçar os contornos pretos do lápis). Sobre a fotocopia em papel cavalinho dei-lhe uma aguada a tinta da china preta (fiz duas versões e escolhi a que mais me agradava). A cor foi dada digitalmente.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

009 - Exercício de pincel e tinta

Exercício de pincel e tinta da china feito sem esboço prévio (este é mais um dos muitos exercícios deste género que faço com alguma frequência). Gosto particularmente deste desenho, pela sua simplicidade...

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

008 - Morte súbita

Esta vinheta pertence à mesma história em alto contraste das quais já publiquei: 006 - Alto contraste (de Fevereiro); 006 - Herói em alto contraste e 007 - Vilã em alto contraste (de Janeiro). A personagem da vinheta foi alvejada pela vilã e este é o momento em que tomba no chão...

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

007 - Gangster fumador IV

Acrescento mais umas características ao Gangster: cigarro sempre na boca, calças de ganga, botas pele de crocodilo.
Este desenho foi feito a grafite e será em breve finalizado com a técnica dos anteriores (alto contraste).

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

006 - Alto contraste

Aqui está mais uma vinheta da mesma história a que pertencem as vinhetas colocadas nas mensagens de Janeiro (006 e 007). Aqui nota-se bastante bem a influência que os Comics Americanos tiveram em mim e no meu trabalho (e que ainda têm).

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

005 - Gangster fumador III

Lembram-se deste personagem? Acho que gostei do aspecto que criei para ele: meia idade; chapéu de chulo; gabardina para esconder as armas (uma de cada lado); colarinho a assemelhar-se com o de um padre (tem tudo a ver); ar bexigoso mas ao mesmo tempo cuidado; olhar aguçado e desconfiado. Aqui vai mais uma ilustração em alto contraste utilizando a mesma técnica da última.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

004 - Carantonha

Outro tipo de exercício que procuro fazer com regularidade é criar "carantonhas", isto é, exagerar nas proporções da cabeça de maneira a conseguir ir buscar alguma expressão facial. Este exercício ajuda-me a ter um maior controlo sobre as expressões dos personagens, mesmo quando procuro representa-las de uma maneira "real" e sem exageros...

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

003 - Extraterrestre assassino

Voltando mais uma vez a desenhos menos novos. Este ser com um ar de banana é um extraterrestre altamente perigoso, pertencente a uma seita, também extraterrestre, que anda a eliminar os seres humanos... acabei de inventar isto, porque não faço a minima ideia do que se passou pela minha cabeça quando o desenhei.

002 - Regresso de Angoulême IV

Este é mais um exemplo de um esboço na onda dos super-heróis, e é suposto ser o mesmo personagem da mensagem 24 de Janeiro (Regresso de Angoulême).